I don't wanna be someone who walks away so easily. [...] Our differences they do a lot to teach us how to use. And in the end, you're still my friend.

(Source: staff, via suplica-me)


2 years ago · 267,510 notes · originally from soulhunting · Reblog


Não precisaríamos ser um daqueles casais típicos de filme. Não seriamos aquele casal clichê. Onde nos encontros você me entregaria um buque de flores ou até quem sabe uma caixa de bombom e em seguida eu lhe agradeceria e lhe retribuía com um beijo. Seriamos o casal que não seguia padrões. Onde eu lhe chamava de idiota e daí iria iniciar uma pequena discussão. Você me chamaria de boba e ficaríamos horas sem nos falar, depois você pediria desculpas se um jeito engraçado, no qual só você consegue fazer, eu me faria de durona e diria que não, você ficaria irritado e eu começaria a rir da sua cara. Eu te abraçaria e diria o quão engraçado é te ver irritado, você me chamaria de boba e então nos beijaríamos… Teríamos um apartamento, do nosso jeitinho. Todo bagunçado, mas seria a nossa bagunça. Nos finais de semana chuvosos, sentaríamos ao sofá e colocaríamos um bom filme, e comeríamos pipoca, brigadeiros, essas besteiras das quais nos amávamos. Você me abraçaria me protegendo do frio. Eu usaria uma de suas camisas, ficaria tão engraçado e mesmo assim você me diria o quanto estava linda. Você andava todo largado e eu reclamava do seu jeito bagunçado de ser e faria piadas com isso. Seriamos felizes, assim, dessa maneira meio torta. Mesmo com nossas diferenças. Nossas briguinhas. Mas seriamos, eu e você. Pra sempre. Faríamos planos do nosso futuro. Sobre o nosso casamento. Seria algo tão simples, mas que representaria o nosso sentimento. Casaríamos na praia, uma cerimônia só para amigos e parentes mais íntimos. Você estaria de camisa e bermuda brancas e eu estaria com um vestido branco com uma leve renda por cima. Seria o dia mais feliz das nossas vidas. Você me esperaria no “altar” com o seu lindo sorriso e eu acompanhada do meu pai, olhava na direção dos seus olhos controlando a minha emoção. Ao chegar ao seu lado, você diria que me ama… Ao fim da cerimônia. Daríamos um jeito de “fugir”, pra ficarmos juntos por alguns instantes. Correríamos na praia, você me abraçaria e me enxeria de beijos… Teríamos nossas briguinhas bobas, do tipo: por que deixou a toalha molhada em cima da cama? Por que você não arrumou isso ou aquilo? Seriam coisas bobas, que no momento pareciam ser sérias, e nos quais mais tarde iríamos rir um do outro… Nossos filhos… Teríamos um casal, chamaríamos de “nossos pequenos”. O menino seria o nosso garotão e a menininha a nossa princesinha. Seriamos a família mais feliz do mundo. E nós dois voltaríamos a ser crianças com os “nossos pequenos”. Seria tudo perfeito, afinal, existiria você, existiria eu… Eu e você… Existiríamos nós. 

Não precisaríamos ser um daqueles casais típicos de filme. Não seriamos aquele casal clichê. Onde nos encontros você me entregaria um buque de flores ou até quem sabe uma caixa de bombom e em seguida eu lhe agradeceria e lhe retribuía com um beijo. Seriamos o casal que não seguia padrões. Onde eu lhe chamava de idiota e daí iria iniciar uma pequena discussão. Você me chamaria de boba e ficaríamos horas sem nos falar, depois você pediria desculpas se um jeito engraçado, no qual só você consegue fazer, eu me faria de durona e diria que não, você ficaria irritado e eu começaria a rir da sua cara. Eu te abraçaria e diria o quão engraçado é te ver irritado, você me chamaria de boba e então nos beijaríamos… Teríamos um apartamento, do nosso jeitinho. Todo bagunçado, mas seria a nossa bagunça. Nos finais de semana chuvosos, sentaríamos ao sofá e colocaríamos um bom filme, e comeríamos pipoca, brigadeiros, essas besteiras das quais nos amávamos. Você me abraçaria me protegendo do frio. Eu usaria uma de suas camisas, ficaria tão engraçado e mesmo assim você me diria o quanto estava linda. Você andava todo largado e eu reclamava do seu jeito bagunçado de ser e faria piadas com isso. Seriamos felizes, assim, dessa maneira meio torta. Mesmo com nossas diferenças. Nossas briguinhas. Mas seriamos, eu e você. Pra sempre. Faríamos planos do nosso futuro. Sobre o nosso casamento. Seria algo tão simples, mas que representaria o nosso sentimento. Casaríamos na praia, uma cerimônia só para amigos e parentes mais íntimos. Você estaria de camisa e bermuda brancas e eu estaria com um vestido branco com uma leve renda por cima. Seria o dia mais feliz das nossas vidas. Você me esperaria no “altar” com o seu lindo sorriso e eu acompanhada do meu pai, olhava na direção dos seus olhos controlando a minha emoção. Ao chegar ao seu lado, você diria que me ama… Ao fim da cerimônia. Daríamos um jeito de “fugir”, pra ficarmos juntos por alguns instantes. Correríamos na praia, você me abraçaria e me enxeria de beijos… Teríamos nossas briguinhas bobas, do tipo: por que deixou a toalha molhada em cima da cama? Por que você não arrumou isso ou aquilo? Seriam coisas bobas, que no momento pareciam ser sérias, e nos quais mais tarde iríamos rir um do outro… Nossos filhos… Teríamos um casal, chamaríamos de “nossos pequenos”. O menino seria o nosso garotão e a menininha a nossa princesinha. Seriamos a família mais feliz do mundo. E nós dois voltaríamos a ser crianças com os “nossos pequenos”. Seria tudo perfeito, afinal, existiria você, existiria eu… Eu e você… Existiríamos nós. 

(via suplica-me)


2 years ago · 10 notes · originally from suplica-me · Reblog


Eu te odeio… Mas te odeio por te amar. É incrível, porque eu prometi a mim mesma que nunca mais iria me apaixonar ou me entregar a alguém. Mas eis que surge você, com seu jeitinho errado, com suas manias, com seus erros, estes que te tornam perfeito. Você apareceu na pior fase da minha vida, tinha eu saído de uma conturbada relação e estava com o coração destroçado. Estava fria, doente da alma. E do nada você apareceu, me disse que estaria ao meu lado e se tornou meu melhor amigo e olhe aonde chegamos. Hoje te chamo de meu amor e você de minha princesa. Planejamos o nosso futuro juntos, até a cor do nosso apartamento já decidimos. Às vezes acho que estamos indo rápido demais, mas as coisas só estão indo como devem ser. Nunca me passou pela cabeça que poderíamos estar juntos, afinal somos diferentes em muitas coisas. Nunca me passou pela cabeça que eu pudesse pensar e querer alguém como eu quero você. Sei que muita das vezes não sou como você gostaria e que minhas crises te irritam profundamente. Que às vezes não demonstro o quanto gosto de você, mas saiba meu amor, que sou dependente dos seus beijos, do seu carinho, de você [vida-de-amargura]

Eu te odeio… Mas te odeio por te amar. É incrível, porque eu prometi a mim mesma que nunca mais iria me apaixonar ou me entregar a alguém. Mas eis que surge você, com seu jeitinho errado, com suas manias, com seus erros, estes que te tornam perfeito. Você apareceu na pior fase da minha vida, tinha eu saído de uma conturbada relação e estava com o coração destroçado. Estava fria, doente da alma. E do nada você apareceu, me disse que estaria ao meu lado e se tornou meu melhor amigo e olhe aonde chegamos. Hoje te chamo de meu amor e você de minha princesa. Planejamos o nosso futuro juntos, até a cor do nosso apartamento já decidimos. Às vezes acho que estamos indo rápido demais, mas as coisas só estão indo como devem ser. Nunca me passou pela cabeça que poderíamos estar juntos, afinal somos diferentes em muitas coisas. Nunca me passou pela cabeça que eu pudesse pensar e querer alguém como eu quero você. Sei que muita das vezes não sou como você gostaria e que minhas crises te irritam profundamente. Que às vezes não demonstro o quanto gosto de você, mas saiba meu amor, que sou dependente dos seus beijos, do seu carinho, de você [vida-de-amargura]


2 years ago · 0 notes · originally from suplica-me · Reblog

vida-de-amargura:

A despedida sempre dói, dói mais quando tiramos o ponto final e colocamos vírgulas. Quando não para os dois, somente pra um. Imagino se um dia dizer adeus irá ser algo tão fácil, pois afinal, é uma das ações mais precisas. A vida se encarrega de levar cada um pro seu lugar e não há nada que possa se fazer… Acredito que nosso destino já estava escrito, e quanto isso não podemos fazer nada. A única coisa que podemos fazer é seguir em frente, carregando conosco a saudade, a dor. Às vezes nos tornando até mais frios, fazendo com que nos apeguemos cada vez menos, tudo pelo medo de que ocorra novamente. A despedida nunca é fácil, ás vezes a vida se encarrega da despedida, outras não, as pessoas simplesmente se vão, ou então, alguém que esteve em nossas vidas apenas de passagem, pra cumprir um papel, pra trazer uma mensagem ou pra ajudar em algum momento. Já por outro lado, a despedida traz a dor, mas traz o alivio, alivio de saber que tudo poderá mudar, que o tempo irá se encarregar. Deixar as lembranças de lado de momentos vividos e focar nos dias atuais, o que passou simplesmente passou não podemos retornar no tempo ou iremos ser pra sempre um rosto triste, deslocado e por um momento mergulhado em pensamentos. Seguir em frente sem olhar pra traz, é isso que devemos fazer, por mais difícil que seja. Lembre-se que ás vezes é preciso dizer ou ouvir um “adeus”, pois só assim nos daremos contas que a vida é feita de momentos, e que pra todo “olá” existe um “adeus”… (Irônica Sociedade e Vida de Amargura)

vida-de-amargura:

A despedida sempre dói, dói mais quando tiramos o ponto final e colocamos vírgulas. Quando não para os dois, somente pra um. Imagino se um dia dizer adeus irá ser algo tão fácil, pois afinal, é uma das ações mais precisas. A vida se encarrega de levar cada um pro seu lugar e não há nada que possa se fazer… Acredito que nosso destino já estava escrito, e quanto isso não podemos fazer nada. A única coisa que podemos fazer é seguir em frente, carregando conosco a saudade, a dor. Às vezes nos tornando até mais frios, fazendo com que nos apeguemos cada vez menos, tudo pelo medo de que ocorra novamente. A despedida nunca é fácil, ás vezes a vida se encarrega da despedida, outras não, as pessoas simplesmente se vão, ou então, alguém que esteve em nossas vidas apenas de passagem, pra cumprir um papel, pra trazer uma mensagem ou pra ajudar em algum momento. Já por outro lado, a despedida traz a dor, mas traz o alivio, alivio de saber que tudo poderá mudar, que o tempo irá se encarregar. Deixar as lembranças de lado de momentos vividos e focar nos dias atuais, o que passou simplesmente passou não podemos retornar no tempo ou iremos ser pra sempre um rosto triste, deslocado e por um momento mergulhado em pensamentos. Seguir em frente sem olhar pra traz, é isso que devemos fazer, por mais difícil que seja. Lembre-se que ás vezes é preciso dizer ou ouvir um “adeus”, pois só assim nos daremos contas que a vida é feita de momentos, e que pra todo “olá” existe um “adeus”… (Irônica Sociedade e Vida de Amargura)


2 years ago · 25 notes · originally from suplica-me · Reblog

vida-de-amargura:

Se eu pudesse eu estaria agora com você, deitado do seu lado, sentindo teu cheiro, até a gente dormir.

vida-de-amargura:

Se eu pudesse eu estaria agora com você, deitado do seu lado, sentindo teu cheiro, até a gente dormir.


2 years ago · 4 notes · originally from suplica-me · Reblog


Sabe o que aprendi? Que realmente não importa o que os outros pensam de você, afinal mesmo que você tenha qualidades que nem um outro alguém tem, a sociedade sempre ”achará” em você algum defeito. Eu ainda me pergunto o por que de tudo isso. Na verdade acho que não tem uma resposta certa pra isso, porque todos tentam ser melhores do que os outros. As vezes você pode não estar agindo, mas o simples fato de você pensar em algo, pode te tornar igual aos outros, na verdade acho que não me encaixo nesse mundo e tão pouco no que ele me impõe. O meu sonho é sair por ai, não importa sua religião, estilo, opção sexual, o meu sonho é que o mundo seja apenas um lugar igual, pra todos, sem exceções 

Sabe o que aprendi? Que realmente não importa o que os outros pensam de você, afinal mesmo que você tenha qualidades que nem um outro alguém tem, a sociedade sempre ”achará” em você algum defeito. Eu ainda me pergunto o por que de tudo isso. Na verdade acho que não tem uma resposta certa pra isso, porque todos tentam ser melhores do que os outros. As vezes você pode não estar agindo, mas o simples fato de você pensar em algo, pode te tornar igual aos outros, na verdade acho que não me encaixo nesse mundo e tão pouco no que ele me impõe. O meu sonho é sair por ai, não importa sua religião, estilo, opção sexual, o meu sonho é que o mundo seja apenas um lugar igual, pra todos, sem exceções 


2 years ago · 6 notes · originally from suplica-me · Reblog


Não vai ser a distância que vai me impedir de amar você. 

Não vai ser a distância que vai me impedir de amar você. 


2 years ago · 19 notes · originally from suplica-me · Reblog


2 years ago · 19 notes · originally from suplica-me · Reblog


Hoje estou de uma maneira amanhã de outra, ando tentando me encontrar, buscar aquela menina que antes acreditava em contos de fadas e que vivia em um mundo imaginário repleto de felicidade, que sonhava com seu príncipe encantado, que acreditava num mundo melhor. Agora vivo eu nesse mundo, que te impõe a fazer o que eles querem, que te julga sem ao menos saber o que se passa, que só não pensa em como os outros se sentem, uma sociedade que tenta parecer forte, mais que aos poucos está desmoronando, eu infelizmente vivo nessa sociedade, e estou tentando buscar respostas pra todo enorme sofrimento

Hoje estou de uma maneira amanhã de outra, ando tentando me encontrar, buscar aquela menina que antes acreditava em contos de fadas e que vivia em um mundo imaginário repleto de felicidade, que sonhava com seu príncipe encantado, que acreditava num mundo melhor. Agora vivo eu nesse mundo, que te impõe a fazer o que eles querem, que te julga sem ao menos saber o que se passa, que só não pensa em como os outros se sentem, uma sociedade que tenta parecer forte, mais que aos poucos está desmoronando, eu infelizmente vivo nessa sociedade, e estou tentando buscar respostas pra todo enorme sofrimento


2 years ago · 6 notes · originally from suplica-me · Reblog

vida-de-amargura:

Sabe aquela menininha de 5 anos atrás? Pois é essa menininha cresceu, e junto com seu crescimento se foram os seus sentimentos, surgiram a dor de um coração partido, a decepção de ter visto promessas falsas, a angustia da perda e a desilusão de amores que levaram com sigo a esperança que aquela garotinha tinha. Antes acreditava em contos de fada e agora acredita que o mundo e todos a sua volta são uma ameaça, mas mesmo assim ela tenta ser forte, todas as noites dorme chorando se afogando nos sentimentos ruins e de manhã encara a vida com um sorriso no rosto. Ela se pergunta o por quê de tanta falsidade, não entende porque as pessoas se sentem bem com o sofrimento alheio, mas só o que lhe restava era a dor e a angustia daqueles que partiram e a deixaram.

vida-de-amargura:

Sabe aquela menininha de 5 anos atrás? Pois é essa menininha cresceu, e junto com seu crescimento se foram os seus sentimentos, surgiram a dor de um coração partido, a decepção de ter visto promessas falsas, a angustia da perda e a desilusão de amores que levaram com sigo a esperança que aquela garotinha tinha. Antes acreditava em contos de fada e agora acredita que o mundo e todos a sua volta são uma ameaça, mas mesmo assim ela tenta ser forte, todas as noites dorme chorando se afogando nos sentimentos ruins e de manhã encara a vida com um sorriso no rosto. Ela se pergunta o por quê de tanta falsidade, não entende porque as pessoas se sentem bem com o sofrimento alheio, mas só o que lhe restava era a dor e a angustia daqueles que partiram e a deixaram.


2 years ago · 8 notes · originally from suplica-me · Reblog